Portal de Encruzilhada - Sua fonte de notícias na cidade de ...

Terça-feira, 21 de Maio de 2024
Pelotas: Produtores protestam contra CEEE Equatorial devido à prejuízos por falta de energia elétrica

Rio Grande do Sul

Pelotas: Produtores protestam contra CEEE Equatorial devido à prejuízos por falta de energia elétrica

Produtores rurais viraram galão de leite na calçada em frente ao prédio da CEEE Equatorial

IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

Mesmo com chuva, dezenas de moradores e produtores rurais se reuniram em manifestação, realizada por volta das 9h desta quarta-feira (20), em frente à sede da CEEE Equatorial em Pelotas. Com cartazes e gritos de “vergonha”, eles cobravam melhoria da rede elétrica que atende as localidades da colônia de Pelotas e do interior de outros municípios, como Camaquã, São Lourenço do Sul, Turuçu e Arroio do Padre.

 

“Já que nos tornamos invisíveis, decidimos nos unir para sermos ouvidos. Nós não estamos pedindo um favor. É o mínimo, porque nós pagamos pela energia”, explica a produtora rural Arlene Weezel.

Publicidade

Leia Também:

 

Além das quedas de energia, os moradores relatam problemas de baixa tensão, o que dificulta ou até impossibilita suas produções. As atividades mais impactadas são a produção leiteira, que precisa de eletricidade para refrigerar o leite. “Fazemos a ordenha e o leite acaba indo fora porque o motor do refrigerador não gira, ele precisa de 220V e não de 160V ou 170V”, detalha Arlene. Outro setor bastante prejudicado é o cultivo de fumo que utiliza estufas com equipamentos elétricos para a secagem da colheita. “O secador de fumo funciona com ventilação a motor elétrico, então com a baixa a tensão ele não roda direito”, reclama o produtor rural Gabriel Zillmer, morador do 6º Distrito de Pelotas.

 

Além de prejudicar a produção, que fica abaixo da qualidade necessária para ser vendida às empresas, a instabilidade na rede elétrica também interfere no funcionamento dos eletrodomésticos nas residências dos moradores. Também há relatos de aparelhos que acabaram queimando com as quedas de energia. “Hoje não temos luz, estamos só com gerador. Piscou várias vezes a luz e caiu. Domingo também faltou, luz fraca e baixa tensão. Nada funciona direito, nem freezer, nem geladeira”, relata Zillmer.

 

Segundo os moradores, este problema já vem impactando há anos a produção e o desenvolvimento rural na região. Porém, eles afirmam que a situação piorou desde julho deste ano, quando a região foi atingida pelas fortes tempestades e ciclones, e continua se agravando com o passar dos meses. “Essa última semana foi praticamente todos os dias a falta de luz durante algumas horas. Mas vem de anos isso. Nós poderíamos ter muitas outras estufas e produzir o dobro do que produzimos hoje, mas não temos energia”, relata o produtor de fumo Vanderlei Henki.

Ainda não foram calculados os prejuízos monetários dessas produções perdidas. “Ainda existem estufas de fumo que não sabemos se vão resultar em produtos de boa qualidade”, explica Arlene. A produtora ainda pontua que muita produção leiteira foi perdida nos últimos meses.

“Essa noite mesmo botaram o leite fora, porque não teve o que fazer. O leiteiro não pode levar pelo menos uns cinco refrigeradores por causa da acidez do leite”, detalha.

A situação é tão antiga e recorrente que os moradores têm grupos no WhatsApp para se comunicarem sobre os problemas elétricos na região da rede afetada. Nesses grupos os moradores informam uns aos outros sobre as quedas de energia nas propriedades ao longo das localidades. Entre as mensagens, estão “Todos sem luz novamente?” com repostas: “Sim!”, “Sim, é geral”, “Aqui meia fase” e “É geral, passando Santa Silvana [6º Distrito de Pelotas] está sem luz também”. Também compartilham fotos dos medidores de energia, os quais na maioria das vezes estão abaixo dos 220V.

Nessas condições, a única opção para os moradores é a utilização de geradores à combustível, o que é um gasto adicional para os produtores rurais.

“Quem tem gerador está gastando diesel. Além de que muitos geradores que já estragaram. Tem gente sem luz há sete dias totalmente sem luz. É muito descaso”, explica Arlene. Os moradores reclamam também sobre a falta da presença de profissionais para o atendimento nas regiões.

“Eles vão lá tirar fotos, isso quando vão. Então informam que as próximas etapas são com outros profissionais, mas não vem ninguém para arrumar. Tem lugares com poste caído e fios emendados”, relata Zillmer.

Durante o protesto, os moradores foram convidados a entrar no prédio agência, onde participaram de uma reunião com os encarregados da empresa. Em nota, a distribuidora relata ter ouvido e coletado as solicitações para avaliar as medidas a serem tomadas, com foco na melhoria dos serviços prestados aos seus clientes.

FONTE/CRÉDITOS: São Lourenço do Sul em Foco
FONTE/CRÉDITOS (IMAGEM DE CAPA): Reprodução
Comentários:
Portal de Encruzilhada
Portal de Encruzilhada

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!