Portal de Encruzilhada - Sua fonte de notícias na cidade de ...

Sabado, 13 de Julho de 2024
Toffoli anula todas as decisões da Lava Jato contra Marcelo Odebrecht

Política

Toffoli anula todas as decisões da Lava Jato contra Marcelo Odebrecht

Em delação fechada com a operação, empreiteiro afirmou que o juiz do STF é conhecido na empresa como 'amigo do amigo do meu pai'

IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), anulou, nesta terça-feira, 21, todos os atos praticados pela 13ª Vara Federal de Curitiba contra Marcelo Odebrecht no âmbito da Operação Lava Jato.

“Em face do exposto, defiro o pedido constante desta petição e declaro a nulidade absoluta de todos os atos praticados em desfavor do requerente no âmbito dos procedimentos vinculados à Operação Lava Jato, pelos integrantes da referida operação e pelo ex-juiz Sérgio Moro no desempenho de suas atividades perante o Juízo da 13ª Vara Federal de Curitiba, ainda que na fase pré-processual, determinando, em consequência, o trancamento das persecuções penais instauradas em desfavor do requerente no que atine à mencionada operação”, determinou o juiz do STF.

Toffoli estabeleceu ainda o trancamento dos procedimentos penais instaurados contra o empresário.

Publicidade

Leia Também:

O juiz do STF, contudo, ponderou que seu entendimento não abrange o acordo de delação premiada firmado por Odebrecht durante a vigência da operação. “Diante do conteúdo dos frequentes diálogos entre magistrado e procurador especificamente sobre o requerente, bem como sobre as empresas que ele presidia, fica clara a mistura da função de acusação com a de julgar, corroendo-se as bases do processo penal democrático”, observou o juiz do STF.

Marcelo Odebrecht revelou suposto codinome de Toffoli

Odebrecht foi condenado a 19 anos e quatro meses de prisão pelo então juiz federal Sergio Moro em 2016. Dessa forma, fez um acordo de delação que reduziu a pena para dez anos. Em 2022, porém, o STF reduziu o período para sete anos, agora já cumpridos.

Na delação firmada em 2017, Odebrecht respondeu a uma pergunta de agentes da Polícia Federal sobre o codinome “amigo do amigo do meu pai”.

De acordo com o empresário, trata-se de Toffoli. Em um dos e-mails com data de 2007, o empreiteiro perguntou a atos executivos da companhia: “Afinal, vocês fecharam com o amigo do amigo do meu pai?”. Naquele ano. Toffoli era advogado-geral da União.

FONTE/CRÉDITOS: Crystian Costa/Revista Oeste
FONTE/CRÉDITOS (IMAGEM DE CAPA): Reprodução/STF
Comentários:
Portal de Encruzilhada
Portal de Encruzilhada

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!