Portal de Encruzilhada - Sua fonte de notícias na cidade de ...

Sabado, 18 de Maio de 2024
Trabalhador é resgatado de condição análoga à escravidão em Encruzilhada do Sul

Encruzilhada do Sul

Trabalhador é resgatado de condição análoga à escravidão em Encruzilhada do Sul

Ele não tem registro na Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS), salário regular, férias ou 13º salários.

IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

Um trabalhador de 57 anos foi resgatado, na última sexta-feira (19), em situação análoga à escravidão em uma propriedade no interior de Encruzilhada do Sul. O homem, natural de Montenegro (RS), atuava há 10 anos na produção de carvão e lenha de uma fazenda. Ele não tem registro na Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS), salário regular, férias ou 13º salários.

O salário ainda não era pago mensalmente, e sim em intervalos de dois ou três meses, e eram descontados desse vencimento gêneros comprados para o empregado pelo proprietário, em sua maioria bebidas alcóolicas e fumo, quando a CLT, no caput de seu artigo 458, proíbe em qualquer caso que esse tipo de produto seja considerado salário in natura. O trabalhador também não gozava de férias regulares e, segundo seu depoimento, teria saído de férias duas vezes em 10 anos, mas sem receber pagamento.

Viúvo, ele exercia principalmente as atividades de extração de madeira e queima de carvão, atividades consideradas insalubres. Além da irregularidade em seus pagamentos, a força-tarefa constatou que as condições da habitação fornecida pelo empregador eram degradantes, com paredes sem reboco, e com uma cama que havia sido armada de filetes de madeira velha pelo próprio trabalhador.

Publicidade

Leia Também:

O proprietário não fornecia roupas de cama, e as que havia no local, deixadas lá por outros trabalhadores que haviam passado pela propriedade anos antes em péssimo estado de conservação. A água consumida pelo trabalhador vinha de uma fonte aberta no terreno, e o proprietário do local admitiu que nunca foi feita nenhuma avaliação da qualidade da água ou de sua propriedade para consumo.

A operação móvel de Combate ao Trabalho Escravo contou com a participação da Defensoria Pública da União (DPU), do Ministério Público do Trabalho (MPT), da Polícia Rodoviária Federal (PRF), da Polícia Federal (PF) e dos auditores fiscal do trabalho.

Após o resgate feito, foi firmado um acordo com o empregador. Pelo Termo de Ajuste de Conduta (TAC),ele pagará a quantia de cerca de R$ 55 mil ao trabalhador, com um sinal e 10 prestações; mais indenizações no valor de R$1,5 mil, pelo dano moral individual, e de R$ 5 mil, pelo dano moral coletivo.

Após a tomada dos depoimentos na sede do Ministério Público do Estado (MP-RS) em Encruzilhada, o trabalhador foi encaminhado de volta a Montenegro, com o pagamento garantido das verbas rescisórias.

FONTE/CRÉDITOS: Jornal O Sul
FONTE/CRÉDITOS (IMAGEM DE CAPA): MPR-RS
Comentários:
Portal de Encruzilhada
Portal de Encruzilhada

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!